Um turista no reino das imagens

Por #AgoraÉQueSãoElas

Por Laura Erber*

Não é preciso muito esforço para perceber que hoje o debate feminista passa tanto pela crítica radical da exploração capitalista quanto pela crítica do consumo de imagens publicitárias e representações que insistem em perpetuar a sujeição e a objetificação da mulher, reduzindo-a à condição de mercadoria consumível no grande mercado contemporâneo do prazer e do medo. Enquanto os vendedores do medo lucram com imagens abjetas de chacinas, guerras e corpos esquartejados, os vendedores do prazer lucram com as imagens do corpo feminino hiperexposto, hipererotizado, regulado pela corrida por audiência, modelado e corrigido digitalmente para melhor atender aos padrões impostos do belo. Na base dessa linguagem visual que usa bundas e peitos para vender cerveja, móveis, xampus e carros reside a naturalização perversa da violência expositiva da imagem, que define o que pode ser visto, como e por quem.

Curiosamente, Ricardo Amaral, indicado pelo prefeito Marcelo Crivella para assumir o conselho de Turismo do Rio de Janeiro, parece ser um grande fã desse tipo de linguagem publicitária, fazendo questão de compartilharpiadas e memes ultramachistas em seu facebook. Para ele, a beleza da primeira-dama Marcela Temer justificaria o golpe, enquanto o que define um país democrático não é a pluralidade partidária mas sim o uso do fio dental (a calcinha). Seria engraçado não fosse repugnante.

 

 

meme ricardo amaral

 

Poucas cidades do mundo exploram tanto quanto o Rio de Janeiro imagens do corpo feminino – sobretudo de mulheres negras – como chamariz e objeto de atração turística. É inadmissível que o futuro responsável pelas políticas públicas para o turismo não se veja como cidadão de um país que apresenta índices recordes de violência contra a mulher, incluindo estupros e feminicídios.

É preciso ser efetivamente cínico para acreditar que haja algum tipo de transgressão ou liberdade na cartilha publicitária da superexposição dos corpos femininos. Na hierarquia das mercadorias visuais, a erotização do corpo feminino não pode ser signo de emancipação, uma vez que seu corpo é comercializado como qualquer outro tipo de objeto de satisfação. Essa indústria opera com uma noção de espectador “peça mecânica”, tosca engrenagem publicitária de causa e efeito, a quem cabe apenas responder aos estímulos eróticos como um cachorro de Pavlov responderia a um bife. Todo esse modo de funcionamento reforça o status quo de uma sociedade machista, sexista e altamente hierárquica na partilha de valores, imagens e representações.

A publicidade, assim como grande parte da linguagem televisiva, procura fazer crer que há liberdade ali onde a própria noção de liberdade foi aniquilada em favor da produção de uma falsa necessidade e da satisfação de um desejo inexistente. Assim também a cidade e suas atrações podem ser vendidas como um grande corpo disponível a abusos, com muito glitter e sorrisos para escamotear o entremeado contraditório e violento das relações entre carnaval e racismo, entre turismo e machismo. Nesse regime de percepção mercantil, uma imagem machista será consumida como signo da liberdade sexual, e o racismo, como um traço de orgulho cultural.

 

ric IMG_2017-01-11 15:19:14

 

Os memes machistas faceiramente disseminados por Ricardo Amaral nas redes sociais exemplificam o apego ao velho imaginário sexual machista amplamente naturalizado pelos que confundem poder aquisitivo com poder sobre o corpo feminino. Assim também a indústria contemporânea das imagens aprisiona o espectador na ilusão de uma liberdade sexual que não é mais que o retrato de uma mecânica aprisionante, inventada por essa mesma indústria para acalentar o desespero e o vazio.Os vendedores do medo e os vendedores do prazer estão unidos exatamente nesse ponto: ambos trabalham para produzir um espectador incapaz de sustentar o próprio olhar, que apenas responde mecanicamente ao que vê, movido pelas fantasias que a publicidade inventou para melhor regulá-lo como consumidor e não como sujeito consciente.

 

meme ric IMG_2017-01-11 15:16:27

 

De um empresário como Ricardo Amaral, que claramente ignora a realidade aterradora do Rio de Janeiro e os laços complexos entre exploração turística e machismo estrutural, não se pode esperar mais que a manutenção da violência contra a mulher e uma escalada na violência visual da qual aos poucos e com muito esforço há tempos tentamos nos livrar.

Laura Erber é escritora, artista plástica e professora de teoria do teatro na UNI-Rio.