De mãe para mãe: uma carta para Tati Quebra Barraco

Por #AgoraÉQueSãoElas

Por Ana Paula Oliveira*

Tatiana, gostaria que essas palavras chegassem a você em forma de um abraço cheio de carinho.

Meu nome é Ana Paula Gomes de Oliveira, tenho 40 anos, sou mãe de 2 filhos, Johnatha – 19 anos (assassinado no dia 14 de maio de 2014, com um tiro nas costas, disparado por um PM da UPP/Manguinhos) e Maria Paula, que hoje tem 11 anos. Sou formada em pedagogia, nasci e moro até hoje na favela de Manguinhos, de onde nesse momento escrevo esta carta pra você.

O que eu me pergunto, Tatiana, é o que temos comum?

Somos Mulheres Negras, Mães, pobres, moradoras de favela, e carregamos a mesma dor, tivemos nossos filhos, tão jovens, cheios de vida, e de sonhos, arrancados de nosso convívio aos 19 anos de idade, em nome de uma política de segurança pública racista e classista, que através de todo um Sistema Opressor dissemina na sociedade a ideia de que a favela é o inimigo número 1 da população, é o alvo a ser abatido, exterminado. O resultado disso são 63 jovens negros assassinados todos os dias nesse país, 1 a cada 23 minutos, tenham eles envolvimento com o varejo das drogas ou nao. Um verdadeiro GENOCÍDIO que, tristemente, é aclamado por uma parte da sociedade que segue motivada por algumas mídias, pelo ódio, por ganância, por medo de perder suas posições de privilégios, dentre outros motivos. Num momento em que eu desejava te dar um abraço acolhedor e te dizer que você não está sozinha, eis que surge um convite pra que eu pudesse lhe enviar essa mensagem de solidariedade e carinho.

Então Tati, estou aqui em nome de milhares de mães desse Brasil afora, pra te dizer que a SUA DOR é NOSSA DOR, e que Yuri Lourenço da Silva, seu filho, nosso filho, VIVERÁ em nossa LUTA por JUSTIÇA e pela VIDA, assim como todas as vítimas desse Estado.

Desejo que o seu grito possa ecoar e se juntar ao grito de tantas outras mães que hoje seguem mutiladas, sem seus filhos. Desejo que você levante ainda mais forte e seja a voz do Yuri.

#NOSSOSMORTOSTEMVOZ

NOSSOS FILHOS TEM MÃES!

#MÃESDEMANGUINHOS

AVANTE GUERREIRA!

*Ana Paula Oliveira, mãe do Johnatha e da Maria Paula, é da favela de Manguinhos.